comentar
publicado por Helder, em 30.11.10 às 23:13link do post | | | favorito

Julian Assange está a tornar-se o inimigo público nº1 do governo dos E.U.A. A diplomacia norte-americana está em crise e a secretária de Estado Hillary Clinton em particular, ficou muito mal na fotografia. Pobre Hillary! O matemático,físico, programador e ex-hacker australiano voltou a fazer das suas.

 

Ao que parece o mais recente projecto do activista da Web – o WikiLeaks – tem vindo a trazer ao conhecimento do público certos documentos secretos que demonstram o desrespeito dos nossos amigos yankees pelos direitos e soberania dos outros. Há alguns meses, tivemos revelações atrozes sobre verdadeiros crimes de guerra cometidos no Iraque e Afeganistão, que foram claro está, abafados pelas altas chefias militares. Torturar prisioneiros de guerra com choques eléctricos nos orgãos genitais, matar civis inocentes e coisas similares passariam incólumes. É o velho lema do “Don't ask, don't tell”.

 

Esta semana o WikiLeaks voltou à carga, naquela que é considerada a maior fuga de informação confidencial de todos os tempos. Senão vejamos:

 

  • Os E.U.A apoiaram financeiramente o PKK, um partido terrorista da Turquia;

  • Os serviços secretos norte-americanos estavam destacados, pelos vistos por ordem directa de Hillary para espiar líderes mundiais como a chanceller alemã Angela Merkel ou mesmo o secretário-geral da Nações Unidas, Ban Ki-Moon;

  • Opiniões pouca abonatórias de Vladimir Putin e Silvio Berlusconi: um é autoritário e controla a Rússia através do seu fantoche na presidência, o outro é machista e “dá festas selvagens”.

  • Tentativas de negociações com diversos países da América Latina com um objectivo comum: afastar Hugo Chávez do poder na Venezuela.

  • A China de facto orquestrou um ataque aos servidores da Google para espiar empresas e governos ocidentais.

  • O rei da Arábia Saudita apela aos E.U.A para invadirem o Irão. Segundo ele, se o Irão desenvolve armas nucleares, todos os países na região farão o mesmo. Uma invasão militar peremptória parece uma menor ameaça que um Irão nuclear, ideia que é partilhada por governantes de países como os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein;

  • O senhor da Líbia, Muammar al-Gaddafi, é “extremamente dependente da sua enfermeira, uma loura voluptuosa”.

 

Com menor ou maior impacto no xadrez político mundial, a verdade é que todas estas declarações causam algum embaraço à administração Obama. Talvez seja mesmo assim que se faz a política externa de uma super-potência, mas para o público em geral, não habituado aos bastidores destes fait divers, estas informações parecem maná caído do céu; daquele que podemos usar para juntar à lista de “porquê que os americanos são uma vergonha” e prontamente debitar numa qualquer conversa de café. Fica sempre bem. Obrigado, Julian Assange.

sinto-me: inebriado por fait-divers!
música: Supertramp- Cannonball

mais sobre mim
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
24
25
26
27

28
29


arquivos
pesquisar
 
blogs SAPO